quinta-feira, setembro 01, 2011

Queer pop (1/30): Frankie Goes To Hollywood



Relax (1983), dos Frankie Goes To Hollywood
Realizado por Bernard Rose 

A canção incomodou. Tanto que cedo acabou proibida na BBC. Mas na hora de pensar um teledisco para acompanhar o seu single de estreia os Frankie Goes To Hollywood não o fizeram com filtro. Rodado no que parece ser uma discoteca para um público fetichista (e onde não faltam alusões a iconografias características da cultura gay de finais de 70 e inícios dos anos 80), Relax acabou por ser igualmente afastado das programações televisivas do seu tempo, o que obrigou o grupo a criar um teledisco alternativo no qual se mostravam em simples performance frente a raios laser. 

Realizado pelo britânico Bernard Rose (que anos depois realizaria filmes como Imortal Beloved, Anna Karenina ou Candyman), Relax sugere as atmosferas de um clube gay naquela que foi das primeiras expressões destes universos no espaço de um teledisco. Só mais tarde o vocalista Holly Johnsson e o músico Paul Rutherford falaram abertamente da sua homossexualidade. Mas logo no momento da sua edição Relax acabou transformado num dos casos maiores da cultura LGBT dos anos 80.

1 comentário:

  1. esse clipe é bem gay mesmo!(Sem ofensas!!)o clube mostra os caras de jaqueta de couro pareçendo ter sair do grupo Village Peopple!é um clipe divertido!mas não mostra Nada demais pra ter sido censurado pela tv!mente careta dos censores da telinha!Marlon Painter.

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.