quarta-feira, outubro 21, 2009

:O Solista



A terceira longa-metragem da prematura mas marcante carreira de Joe Wright chega a Portugal no seguimento de “Expiação”, uma das mais subvalorizadas e admiráveis obras da década, tal como, ainda que em menor escala, a adaptação do romance de Jane Austen, “Orgulho e Preconceito”. Não seria, portanto, de admirar que, para este “O Solista”, as expectativas estivessem no topo. Contudo, o filme consegue deixar um sabor amargo a todos os níveis, pecando principalmente a índole narrativa (da responsabilidade de Susannah Grant) que faz com que a película culmine num final repleto de clichés, bem típico das mais banais biopics e que não permite com que as interpretações do bem preparado Jamie Foxx e até mesmo de Robert Downey Jr. se destaquem. Ao som de um espectral mas imperceptível Dario Marianelli (a sequência de A City Symphony é, neste e nos restantes aspectos, a mais bem executada) e ao ritmo de um Joe Wright mais experimental, urbano e socialmente crítico, a fita consegue, apesar de tudo, inovar - especialmente com a bela cena musical de uma peça de Beethoven, onde a conseguimos “ver” com a mente de Nathaniel. Um trabalho dispensável e insosso da filmografia de Joe Wright, que muito facilmente será esquecido caso este recupere a boa forma com o futuro “Indian Summer”.
Nota especial para o rápido mas evidente long take que homenageia a comunidade dos sem-abrigo em Los Angeles, que vem a demonstrar que, apesar de Joe Wright fugir bastante ao estilo do precedente “Expiação”, não abandonou este cânone que tanto delicia os seus fãs.

7/10

6 comentários:

  1. Pois, sinceramente ainda não vi o filme mas já estava à espera de tal facto, sobretudo depois dos sucessivos adiamentos do filme. Quando tal se sucede, normalmente estamos perante um filme não tão bom quanto poderia ser.

    Esperava-se um candidato aos Oscar e temos um mero "filme".

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Roberto,
    Mesmo. Pode ser que tenhamos uma melhor surpresa, para a próxima.

    Fifeco,
    Tens razão, e a agravar a essa facto tínhamos também a má recepção da crítica e do pública com o filme. Enfim...!

    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Vou ve-lo

    Downey Jr é fenomenal e vale pelo filme com certeza, apesar de eu nao simpatizar nada com Foxx:P


    Abraço ;)

    ResponderEliminar
  4. Jackie Brown,
    pelo menos nesta fita Foxx sobressai-se mais do que Downey, que é o protagonista. Mas esperarei pela tua opinião.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. fui vê-lo no último dia de exibição. Esperava mais, naturalmente, mas lá está, o filme não peca pela realizaçao, a sequência de que falas no último paragrafo foi, para mim, o momento de respirar fundo e reconhecer wright. É um filme semi-cru, talvez, precisava de uns temperos, principalmente a nível de argumento. E, mesmo assim, é um bom filme, é só que depois de atonement esperava - acho que muitos também o faziam - muito de um filme de joe wright.não me arrependo de ter gasto dinheiro no cinema. mas veremos--

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.