sexta-feira, fevereiro 19, 2010

A Pianista

O homem é um ser cujas necessidades primárias passam, de forma necessária e irredutível, pela sua sexualidade porquanto é hoje sabido e comprovado pela ciência. Tal como Haneke bem o sabe, vivemos, na actualidade, numa sociedade que extrapola os anseios carnais pela via do consumo de pornografia, seja esta directamente demonstrada ou não, e ainda que, de maneira ambivalente, o Ocidente condene os mais “perversos” (reforcem-se as aspas) actos sexuais. E é, a respeito disto, sob este fantasma intocável da dissonância cognitiva com que navegamos, que o cineasta austríaco aproveita e se insurge com “A Pianista”, uma excelente reflexão (excessivamente?) intimista sobre os nossos mais secretos desejos.

É a plácida e requintada melodia de Schubert que nos apresenta — expõe — a nossa protagonista, magnificamente encarnada por Huppert, que se entrega à máxima representação da procura pela libertação e consumação das suas vontades. Grandemente provocador, podemos considerar que temos sobre nós um minucioso estudo psicanalítico de personagens e, como já nos é habituado, um estudo sociológico do contexto específico que as envolvem. Porque para a constituição de uma dada personalidade, tudo se mostra determinante (daí podermos considerar o cuidado na montagem de cenário estético), sendo que Haneke vê e recria a realidade como uma ficção verdadeira e complexa onde, não sendo coerciva à individuação pessoal, coabitam diversos e caóticos elementos socioculturais e individuais grandemente influenciadores do recalcamento (ou não) de certas atitudes, sejam estas perspectivadas a nível sexual ou não. Tudo em “A Pianista” é efectivo, plausível, certo — a sua actualidade e crueza não se devem apenas à história e criatividade pessoais do cineasta, mas sim a estudos externos, corroborados, como os que nos deixou o fundador da psicanálise. Freud é, portanto, uma figura que se encontra invisível nesta derradeira (feliz ou infeliz?) jornada, ou, para sermos mais precisos, os estudos que este nos deixou sem os quais o austríaco não se poderia basear e completar uma análise tão precisa do sexo e das, mais uma vez as aspas, “depravações” consequentes, criadas, à sua maneira, por cada agente activo nesta sociedade em que vivemos, repressora daquilo que considera ser tabu e proibido. Não é, certamente, pela via da visualização de cada imagem, simples e desinteressada, que chegaríamos ao âmago de uma protagonista tão inquietante e controversa (sê-lo-á, para nós, porquê?), até porque a dura e inflexível exactidão estética e narrativa não o permitiria, de todo, obrigando-nos a estar, permanentemente, frente ao “ego” dela. É, pois, através da interpretação ulterior que mergulhamos e analisamos, enfim, o inconsciente da personagem, no qual submerge parte do seu “superego”, resultado das imposições morais aprendidas numa sociedade orientada por paradigmas, representações e estereótipos, que guiará as acções de cada um de nós. É exactamente esta parte do eu que refreará os nossos anseios e prazeres, biológicos e obviamente naturais, que calámos pelo medo que já nos é intrínseco e foi interiorizado. Que podemos nós julgar ou acusar do sadomasoquismo que dá a alguns tanto prazer e qual o nosso direito e legitimidade de considerarmos depravados e insanos àqueles que têm fetiches e satisfazem o desejo sexual sem quaisquer ambições de construir uma relação de outra espécie (amorosa, por exemplo)? A pianista mostra-nos, distanciando-se cruamente da sociedade (representada pelo aluno, pela escola ou pela mãe) e acabando por não antever com tanta facilidade as suas reacções, a simplicidade e singeleza dos desejos que tem em si, não passíveis de serem julgados por nada ou ninguém, compreendidos apenas pela suave modulação e inclusão metafísica que a música lhes proporciona. Ser professora da matéria em questão não é mais senão um grito inaudível a uma massa acrítica e preconceituosa, pronta a apontar o dedo para tudo o que lhe parecer estranho.

Nunca um filme aparentemente tão imoral, voyeurista e frio pareceu tão consciente das fragilidades das convenções éticas, tão crítico e tão humano. Porque “A Pianista” é, tal como outros da filmografia do autor, uma importantíssima película que explora, sem impor qualquer mensagem e de forma centrada e excelsa, a naturalidade daquilo que biologicamente ansiamos e a nossa verdadeira condição no mundo. 

9/10

6 comentários:

  1. Não há muito que possa dizer sem me repetir acerca do que já falámos sobre o filme e como ele me tocou bastante. A nota final é a mesma que a tua (4,5*). Filme frio e voyeurista, talvez o meu preferido de Haneke. E já agora... excelente crítica as usual.

    ResponderEliminar
  2. Michael Haneke traz-nos A Pianista à luz de um realismo atroz, que se espelha especialmente em todos os enquadramentos simples, nos takes mais ou menos longos e na valorização da cenografia que daí resulta. É cinema sem artifícios maiores, denso e frontal, dotado de performances incríveis e que encerram em si próprias um inestimável poder.

    5*

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  3. Agradou-me bastante, mas não me tocou de uma forma tão intensa quanto a ti. Não deixa, ainda assim, de a classificar calorosamente.

    ResponderEliminar
  4. É a primeira vez que tive contacto com este blog e fiquei bastante agradado e animado por ver que ainda existe quem goste de ver e discutir bom cinema.
    E já agora é criminoso alguém tão novo escrever tão bem. lol
    Parabéns aos três e continuação de bom trabalho.

    ResponderEliminar
  5. Bom dia.

    O Antestreia está a organizar um encontro de blogs de cinema no Fantasporto.

    Será na tarde do encerramento dia 6 de Março, pelas 17 horas. Gostariamos de contar com todos os blogs que estejam no festival.
    Entre os blogs que lá estarão a tempo inteiro também se irá votar o melhor filme do Fantas.

    Mais informação pode ser lida em http://antestreia.blogspot.com/2010/02/encontramo-nos-no-fantas.html

    Agradecíamos que dissessem se estão interessados em participar na votação e se vão fazer parte do encontro.


    Cumprimentos
    Nuno Reis


    PS: Podem e devem divulgar por outros bloggers que saibam que lá estejam.

    ResponderEliminar
  6. Tiago, sim, é desnecessário dizeres mais :) É dos meus preferidos de Haneke, sem qualquer dúvida. Muito obrigado pelo elogio!

    Roberto, sintetizaste muito bem o que penso do filme. Frontal é uma boa palavra para definir esta grande obra.

    Jackson, sei do que me falas, já que pude ler a tua opinião e pudemos falar sobre o filme. Merece ser revisto ;)

    Bernardo, bem-vindo ao blogue! Muito obrigado pelas palavras exageradamente elogiosas ;) Continua a voltar, e espero que o progresso deste espaço recém-criado corresponda às tuas expectativas.

    Nuno, em breve direi algo sobre isto. Obrigado pela informação e convite.

    Abraços!

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.