quinta-feira, dezembro 31, 2009

:Avatar



Será assim tão necessário começar por descrever a febre que afunda este filme? Custa-me, apesar de todas as minhas anteriores convicções, admitir que sim porque, desde a sua chegada, o que se tem dito da nova película do “titânico” Cameron, consensualmente e no frenético meio que é a Internet, viaja entre “absolutamente revolucionário” a “um novo marco na História do Cinema”. Após a visualização do mesmo, fico em dúvida se se referiam ao filme em si ou ao marketing que o abraçou - porque este, louvado seja tamanho orçamento investido em tempo de crise, esteve presente como nunca antes vimos num filme. Portanto, e para terminar este assunto (tentei mesmo não iniciar uma opinião por este ponto mas…!), apelo a todos que julguem uma película como estas (e como qualquer outra, aliás) de forma independente, ponderada e lúcida.
Continuando na linha do marketing, devo dizer que era, já, por demais expectável o que poderia sair com este “Avatar”. Puro entretenimento para as massas, animação digital trabalhada com a mestria que os 237 milhões de dólares exigiam da equipa técnica (será que é desta que a Academia decide nomeá-lo para o Óscar de melhor filme de animação?), um argumento rápido e convincente para (quase) todos os espectadores. O que não se esperava, pessoalmente: um resultado tão belo e crível do mundo natural de Pandora (terá sido assim tão preciso sair dos confins da Terra, que cineastas como Malick captam de forma inigualável, para maravilhar um espectador humano?) e as referências retiradas de diversas outras obras do cinema e da literatura de uma forma gritantemente pretensiosa, fingindo uma artificial inovação em termos narrativos que ilude, facilmente, o mais ingénuo e deslumbrado espectador. Não é por menos: o 3D (ainda que me proporcionando uma indesejada dor de cabeça) funciona como nunca outro filme o conseguiu, trazendo a tudo um relevo impressionante (pelo menos na primeira meia hora). Nesse aspecto, e há que admiti-lo, espera-se nos próximos tempos uma utilização desta ferramenta mais frequente e competente (mas, por favor, 2D, não fujas de nós!). Pandora é um “novo mundo” (reforcem-se as aspas) repleto de criaturas que, muito convenientemente, na fase final da película, se unem à lá filmes da Disney para combater o inimigo comum, que é o homem. As cenas de acção resultam muito bem, principalmente na última meia hora da película. Este planeta tem, também, o seu quê de fantástico e místico que, de forma muito objectiva, é evidenciado pelas interligações que os indígenas estabelecem com toda a Natureza — uma mensagem ambientalista, espiritual, quase religiosa, que bem poderia funcionar não fosse, mais uma vez, a tentativa de parecer introdutora e criada com magnificência. Também a cultura dos Na’vi evidencia um obtuso etnocentrismo que Cameron não evitou seguir — todos eles têm características humanas e não há nada de “alien” neles, por assim dizer, são índios gigantes pintados de azul. Para finalizar o leque de lugares-comuns presente na estrutura clássica hollywoodesca do guião (há muitos mais, não vou é agora aborrecer-me a enumerá-los), John Smith conhece, também, a sua Pocahontas, relacionando-se com ela de forma incoerente e enveredando pela química humana e tradicional com que já se esperava. A fórmula de entreter e maravilhar o senso comum atingiu-se neste filme.
Pondo de parte a banda-sonora, que nada traz de novo senão uma leve impaciência e familiaridade, e pondo, também, de parte, o tema musical com que somos presenteados no final do filme (não, Cameron, “Avatar” não é o “Titanic”!), há que assinalar, por fim, a miséria geral das interpretações (com personagens tão mal construídas quanto estas, sobretudo a encarnada por Stephen Lang, não se esperava mais).
Em suma: uma técnica geral perfeita, que consegue fazer-nos suportar a duração extensa do filme, aliada a um argumento pobre e repleto de clichés, e uma experiência sensitiva apenas interessante.
6/10
[re-apreciação feita no dia 20/01/2010]

7 comentários:

  1. Estou em perfeito acordo contigo. Revejo-me em todas as tuas palavras. Aliás, parabéns pela crítica. E também compreendo a classificação.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  2. Concordo com o que foi escrito. Apenas considero que foste demasiado generoso na nota atribuída :P

    Abraço e boas entradas

    ResponderEliminar
  3. Eu ponderei e resolvi dar uma nota maior pois o filme em aspectos ténicos está deveras fabuloso.
    É verdade que o argumento é cliché mas adorei o marco no Cinema que o filme poderá causar pois a mim não me "tocou" como gostaria que fosse...

    Abraço
    http://nekascw.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Subscrevo o Fifeco.

    E estava a ver que era o único a encontrar semelhanças entre Avatar e Pocahontas.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. concordo com algumas coisas, e outras nem tanto, mas concordo compeltamente quando falas do etnocentrismo com que se concebe de maneira geral os extraterrestres, seres humanos feios ou bonitos XD

    ResponderEliminar
  6. Roberto,
    obrigado! Esperamos, ainda, a tua opinião escrita no blog...!

    Fifeco,
    a diferença entre um 7 e um 6 não é lá muita, é só uma questão de vermos se valorizamos mais o lado positivo ou negativo do filme.

    Nekas,
    a técnica está, como referi, perfeita. Mas (in)felizmente não é ela que faz um filme, daí a classificação.

    Jackie Brown,
    só faltava a Colors of the Wind ;)

    Pedro,
    é um claro etnocentrismo que Cameron se descuidou a seguir...! Acontece aos melhores (?).

    Abraços!!

    ResponderEliminar
  7. neste post a única opinião que partilho diz respeito à interpretação dos actores, que é francamente má. Todas as outras questões são justificáveis pela necessidade de pagar este orçamento megalómano.
    Quando todas as novas tecnologias usadas no filme estiverem massificadas é justo fazer uma avaliação mais rigorosa.
    É mais que óbvio que este filme marca a nova era do cinema, daqui a uma década vamos olhar para trás e reconhecer que foi o AVATAR que marcou a nova forma de fazer cinema, mesmo que não seja a melhor película de sempre.

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.