quarta-feira, novembro 21, 2012

Cahiers para o futuro e mais além

A lista está a ser partilhada e comentários nas redes sociais mas não resisto em deixar-vos, uma vez mais, aqueles que são para os Cahiers du Cinéma os 10 melhores filmes do ano. Carax, a "justa" Palma de Ouro para a revista (que, podemos dizê-lo com conhecimento, parece assumir-se cada vez mais anti-Haneke - basta confirmá-lo na edição de novembro, Michael Haneke - amor e misantropia). De facto, Holy Motors parece estar destinado a ser um daqueles títulos redentores, perfeitamente imperfeitos (no sentido em que celebra a liberdade, a imprecisão do gesto, enfim, a modernidade), que falam para o futuro, como se tivesse vindo fora do seu tempo - é, desde já, para mim, um dos grandes deste século. Aliás, o mesmo acontece com o segundo filme da lista, a adaptação de David Cronenberg de Cosmopolis (confesso as minhas reservas mas não deixo de me sentir agarrado pela seu lado perturbador e sedutor e pela possibilidade de poder ver "outro" filme mais tarde). Gostava ainda de destacar a "fé" em três filmes: Take Shelter, filme de Jeff Nichols de grande e concentrada energia, o fulgor romântico de Keep the Lights On (que venceu o Queer Lisboa na edição deste ano) e, ainda, a importante presença portuguesa expressa com Tabu, de Miguel Gomes. Mas, enfim, listas não deixarão de ser listas; eis uma então com grande interesse:

1. Holy motors (Leos Carax)
2. Cosmopolis (David Cronenberg)
3. Twixt (Francis Ford Coppola)
4. 4:44 Last day on earth (Abel Ferrara)
4. In another country (Hong Sang-Soo)
4. Take shelter (Jeff Nichols)
7. Go go tales (Abel Ferrara)
8. Tabu (Miguel Gomes)
9. Faust (Alexander Sokurov)
10. Keep the lights on (Ira Sachs)

4 comentários:

  1. O «Faust» do Sokurov, infelizmente, ainda não passou por cá. Tendo em conta a qualidade do seu autor, seria provavelmente um dos grandes filmes do ano...

    ResponderEliminar
  2. Obrigado por estes artigos, e por nos lembrar que o cinema não é só Hollywood, como as casas do dinheiro tentam fazer crer.

    ResponderEliminar
  3. O «Faust», infelizmente, não deve estrear por cá...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Fausto tem data de estreia prevista entre nós para 31 de janeiro de 2013.

      abraços.

      Eliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.