sábado, abril 09, 2011

O fim do mundo em 2011


Lars Von Trier está prestes a lançar Melancholia, o seu Solaris e a sua mais recente longa-metragem que, para além da conhecida Charlotte Gainsbourg (Antichrist), contará com o protagonismo de Kirsten Dunst, que, parece, terá a oportunidade para mostrar o seu talento à semelhança de como Nicole Kidman o fez com Dogville. O trailer lançado ontem parece aproximar-se do registo fotográfico do filme precedente do realizador, mantendo algumas características da sua forma de filmar (vejam-se, a título de exemplo, os zoom in como forma de intensificar a acção) e manipulação dos diálogos.

No entanto, Von Trier parece não ser o único cineasta a enveredar por uma aproximação do Apocalipse e da compreensão do fim do mundo e do homem, como se pairasse uma espécie de medo crescente por algo que há-de vir. Terrence Malick, com A Árvore da Vida, e Béla Tarr, com O Cavalo de Turim, anunciaram o "fim" filmado e imaginado pelo olhar de ambos. Poderemos ver estes três filmes, e as respectivas semelhanças, ainda este ano. Pisca-se o olho às referências do grande mito de Dezembro de 2012, enquanto se assiste a estreias profícuas financeiramente para o público mais mainstream.

5 comentários:

  1. Realmente, esta câmara instável numa coisa tão bonita e glamourosa como um casamento, com aquela fotografia, cria uma atmosfera tensa e bela, e, depois de tudo, apocalíptica.

    Bem visto, sobre Malick e Tarr.

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente Flávio, tenho um feeling de que isto vai ser um flop. E não gostei muito do trailer, como não gostei do do Malick. Parece-me haver aí, tanto num como noutro, muita megalomania, muito artificio visual, sei lá, não me cheiram. Mas numa surpresa, acredito mais no do Malick no que no do Trier. O do Tarr é que me encheu as medidas, porque está lá a monumentalidade junto da simplicidade, não sei me faço entender, toda a beleza da sua mise-en-scène, toda a eloquência da sua forma de filmar estão lá (assim como estão nos outros dois), mas depois temos ali uma certa simplicidade, uma forma de fugir a essa grandeza que o do Malick e o do Trier me parecem abraçar. Isto pelos trailers, o que é uma estupidez eheh mas pronto. Mas acredito muito bem que daqui a meio ano esteja a dizer o contrário ;)

    ResponderEliminar
  3. Algo que eu gostei particularmente neste trailer foi exactamente essa grandeza, essa eloquência visual de que não gostaste tanto, Álvaro ;)

    ResponderEliminar
  4. Diogo, anseio-o muito :)

    Álvaro, vejo, também, o Von Trier a aventurar-se por caminhos que lhe são desconhecidos, mas aguardo com expectativa para ver o resultado, sem tecer nenhuma esperança em especial, até porque espero mais de Malick (que sempre nos deu grandes filmes) e Tarr (que é o último filme dele). Penso que será um ano inesquecível, com estes três aqui. A ver vamos :)

    Abraços aos 2

    ResponderEliminar
  5. Aquele gajo que não entrou..11 de abril de 2011 às 00:12

    Não sabia que o Von Trier se tinha oferecido para continuar a saga do Jack Bauer..

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.