quarta-feira, maio 12, 2010

Arte & Deus

Na tentativa (escusada, já se viu) de não escrever nada a respeito da visita papal ao nosso minúsculo país, foram hoje realizadas, após a sua estadia e discurso no Centro Cultural de Belém, como podemos observar na fotografia de cima, perante centenas de reconhecidos artistas e intelectuais portugueses, algumas reflexões sobre a relação da Arte com Deus (esclareça-se: o todo-poderoso preconizado pela Bíblia), como esta aqui: E se a arte voltasse a aceitar Deus? O nosso Manoel de Oliveira não hesitou em afirmar, a título de exemplo, que os tipos de arte, como o cinema, estão “intimamente voltados para o homem e o universo, para a condição humana e a natureza Divina” (isto num contexto de discurso cristão, como ele frontalmente o assumiu). Nas restantes intervenções, incluindo na exercida pelo santo padre, podemos com facilidade encontrar dois pontos de encontro: o assumir de um divórcio entre a Igreja e a Arte (e, por conseguinte, a urgência de as voltar a unir), e de uma aparentemente necessária relação entre ambas, como se a verdadeira expressão artística tivesse sempre que envolver um lado com Deus (como a imagem cristológica que Tarkovsky procurara, quando vivo, nas suas obras). Será, portanto, no mínimo lógico julgarmos um filme crítico da religião e ateu como anti-filme, anti-cinema, anti-artístico – e então entramos no universo supostamente idílico, o da rejeição que presenciamos tão bem até o século XIX (com todas as perseguições, etc.). Há aqui toda uma enjoativa contradição que se prende, única e exclusivamente, na minha perspectiva, aos dogmas, também eles nauseabundos e paradoxais, que a Igreja Católica patrocina, sufocada nos seus próprios pecados, se esse é o termo que usam ainda, sufocada numa arte do passado, procurando na contemporaneidade a falsa salvação do abismo que tem caído nas últimas décadas. Essa contradição, se ignorada, poderá cair sob a ideia, poderosa e perfeitamente plausível, de que a arte, como o cinema, deverá procurar a cerne da condição do criador e da sua alma, reflexiva de uma humanidade que terá, isso sim com urgência, de deixar de procurar resposta e comodismo numa exterior e superintendente invenção que, no final de contas, é a sua mais misteriosa criação.

4 comentários:

  1. Penso que a própria religião prendeu-se aos dogmas passados sem possibilidade de evoluir, ora, a arte é algo em evolução, portanto não é a arte que tem que se reter ou fazer as pazes com Deus mas um pouco ao contrário, ou seja, Deus evoluir com arte, fazer as pazes com a arte.
    Depois, os filmes anticristo. Acho uma total barbaridade. Tal como não existem filmes gay, também não existem filmes religiosos. Existem filmes que retratam a religião e não é pela diferença dessa mesma com o espectador que este deva recusá-la.
    Eu por mais que seja ateu ou cristão, não julgo uma obra pela sua religião.

    Abraço
    Cinema as my World

    ResponderEliminar
  2. opaa vlw por seguir la...
    se tiver afim de parceria...vo botar seu blog la nos links

    abraçaoo

    http://publicandobr.blogspot.com/2010/05/senhoras-e-senhores-sterling-hayden_13.html

    ResponderEliminar
  3. A arte acompanha as vidas. Não é a arte que se está a divorciar da religião, são as vidas que se estão a divorciar da religião.

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.