segunda-feira, março 22, 2010

A música do silêncio


Será amanhã, às 19:30, que a Casa da Música, no Porto, fará uma inédita homenagem ao compositor avant-garde John Cage, apresentando a sua mais famosa e controversa peça: 4'33'', inicialmente disposta para piano mas alargada a qualquer tipo de instrumento. Tal como o nome indica, a sua duração, de quatro minutos e trinta e três segundos, resta-se em três movimentos... sem qualquer nota musical. Esta obra, que ficou internacionalmente conhecida por chocar e debelar as originais concepções de arte e música, pretende, em traços gerais, abraçar o público numa melodia sempre distinta: efectivamente, qualquer audição de 4'33'' estará marcada por um diferente ruído, sons a que devemos prestar atenção e, apenas, sentir. Cage foi, também,  um notável escritor e filósofo norte-americano, pioneiro nas experiências da música "ao acaso". Abarcar nesta aventura e experiência por demais enigmáticas é, convenhamos, um tremendo desafio que o homem do Ocidente, habituado e confortado no ruído disforme e confuso da cidade e amedrontado com a calmaria do silêncio, deve estar disposto a iniciar, com aceitação - porque é lá que reside a maior revelação de todas. A emissão poderá ser vista em directo a partir do portal da casadamusica.tv

1 comentário:

  1. Sem dúvida. John Cage foi um artista experimental visionário e inovador, responsável por algumas das mais importantes rupturas conceptuais, teóricas e estéticas do século XX, como a formulação do conceito de "piano preparado" e a introdução do ruído, do silêncio e da aleatoriedade na linguagem musical (foi também pioneiro na música electrónica, elecro-acústica e concreta). O trabalho e o pensamento de Cage acabariam por contaminar outras artes, como a dança, o cinema, a performance, e as artes plásticas. Gostava de assistir a esta peça "clássica, "4'33" ao vivo.

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.