domingo, fevereiro 14, 2010

14 filmes para o dia de São Valentim

Sendo hoje dia de São Valentim (ou dos namorados), apresento hoje uma lista de catorze sugestões cinematográficas para este domingo. Tentei mantê-la variada e versátil: filmes para todos os gostos, sejam eles mais indicados para ver ao lado do(a) parceiro(a) ou mesmo sozinho. A qualidade, posso garanti-lo, existe em todos eles. Desafio também a todos os leitores para nos deixarem sugestões de romances propícios para este dia tão peculiar!

Chaplin, no corpo do corajoso vagabundo, perde-se de amores por uma florista cega — assim se constrói o mote de um dos mais brilhantes filmes de sempre, a obra-prima do cineasta norte-americano que, tendo um dos melhores finais de sempre, conseguiu redefinir e fundir a comédia com o romance, na sétima arte.
Um épico e clássico romântico sem precedentes, necessário e influenciador, exemplo maior da globalização, que colocou Victor Fleming no patamar de um dos maiores cineastas de sempre.
Magistralmente escrito e interpretado, “Casamento Escandaloso” constituiu-se como um excelente exemplo de como uma comédia romântica pode ser construída com o objectivo de roubar ao espectador grandes gargalhadas e sem cair nas banalidades que afundam as actuais salas de cinema.
Um dos maiores trunfos de Woody Allen e Diane Keaton, que juntos embarcam num neurótico, cómico e penetrante romance, captando, tal como em “Manhattan”, a essência nova-iorquina das contemporâneas ligações amorosas.
Terrence Mallick é o mestre da subtileza, captando a ardente e proibida relação amorosa das personagens de Richard Gere e Brooke Adams com uma sensibilidade e quietude extraordinárias. Um brilhante exercício de cinema, com espantosas fotografia e linha narrativa, que, mais do que visto, merece ser sentido.
Gus Van Sant consolida, neste grande filme que viaja entre o experimentalismo simbólico, os temas que mais o fascinam na urbe contemporânea, criando uma importante obra de culto LGBT e um romance que eternizou River Phoenix e Keanu Reeves.
Ang Lee, que viria a realizar o puro e sensitivo romance “O Segredo de Brokeback Mountain”, realizou, em 1993, o precedente e hilariante “O Banquete de Casamento”, uma comédia moderna e socialmente crítica que trata o casamento por conveniência de um homossexual coreano residente nos EUA, de forma a manter as aparências aos seus conservadores pais. [crítica]
“Pocahontas”, recontado pelas produções da Disney, não é mais do que uma brilhante alegoria e ensaio sobre a aceitação, a diferença, o multiculturalismo, o amor sem fronteiras, com poderosas mensagens ecológicas e humanistas transmitidas com um sensacionismo imagético e sonoro imbatível e de necessária visualização.
Um dos maiores romances cinematográficos recentes pertence a Kar Wai Wong que desconstrói uma linguagem que lhe é própria, narrando brilhantemente as imposições morais que se intrometem na relação de duas pessoas casadas que, juntas pelo mesmo motivo, acabam por lutar contra este, quando a barreira invisível que aos dois separa se torna insustentável.
Sob o espectro de uma magnífica banda sonora, “Garden State”, escrito, realizado e protagonizado por Zach Braff chega-se-nos como uma comédia romântica “indie”, apartado de um universo de películas teen superficiais e desprovidas de conteúdo. Repleto de imagens emblemáticas do amor, da liberdade, da vida e da morte, Braff e Natalie Portman representarão um dos mais adoráveis casais vistos na grande tela.
Um dos dramas românticos mais freneticamente originais e fantásticos do cinema, primando, mais do que qualquer outra coisa, pelo brilhante argumento recheado das desventuras próprias do sonho, aliado às interpretações inesquecíveis de Winslet e Carrey.
O luto de um amor perdido, a pluralidade das expressões da intimidade e da sexualidade do ser humano e a inadvertida descoberta de uma nova ligação romântica numa sociedade regida pelas instituições e por normas informais que rejeitam o poliamor, a liberdade relacional e as orientações sexuais minoritárias. Tal como “Rent” ou “Os Sonhadores”, de tudo isto trata o musical francês, arrojado e melindroso, de Christophe Honoré. [crítica]
Uma chamada de atenção necessária para os novos casais e um belíssimo ensaio sobre o compromisso, a rotina e a durabilidade de uma relação amorosa. Com o magnífico olho de Sam Mendes, Kate Winslet e Leonardo DiCaprio unem, de forma madura e invejável, esforços após o épico “Titanic”, trabalho que merece ser analisado até termos a ideia de que não é com um dia só, como o de São Valentim, que as relações deverão subsistir. [crítica]
O mais recente “indie” romântico coaduna tudo o que é preciso para o tornar numa obra maior e inovadora — um boy meets girl disfuncional, infeliz e a fugir aos convencionalismos (pelo menos os mais evidentes). O amor não correspondido e a fábula do esquecimento: eis o que 500 dias de paixão, dor e amor conseguem fazer, construindo a verdadeira comédia da vida.

8 comentários:

  1. Excelente lista como já te tinha dito! Alguns não conheço, acabando por ser uma magnífica oportunidade de os ver.

    ResponderEliminar
  2. Excelentes escolhas ;)

    Por mim, qualquer comédia romântica do Oriente. E há lá muita coisa boa:
    My Sassy Girl, Il Mare, The Classic, Be With You, entre muitos outros.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Boa selecção!
    A minha escolha a acrescentar seria Love Actually...

    Abraço
    http://nekascw.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Boas escolhas. Parabéns pelo blog, está muito bom.

    ResponderEliminar
  5. Alguns nunca tive a oportunidade de ver, mas se recomendas vou dar uma vista de olhos.

    O meu preferido desses é sem dúvida o Eternal Sunshine of the Spotless Mind, é absolutamente fantástico.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Não é que sentisse que iria comentar uma escolha de São Valentim, de todo, mas senti-me de novo obrigado a fazê-lo, para sublinhar duas escolhas.

    - A primeira, Fa Yeung Nin Wa ou In The Mood For Love do Wong Kar-Wai. Não seria uma escolha de São Valentim, mas é um excelente filme. Cada fotograma é arte. A fotografia hiper-saturada do Christopher Doyle, director de fotografia de Gus Van Sant em Paranoid Park, é de uma beleza ímpar.

    - A segunda, Les Chansons de Amour. Porque é um filme de São Valentim e é um filme que atrai de forma particular. É o ponto de alto da carreira de um cineasta que conheço bem, e que oscila entre a sensibilidade de um Dans Paris e um falhanço na aposta de risco que foi Ma Mère.
    É também a afirmação do Jean-Pierre Léaud dos nossos dias, Louis Garrel.
    Extremamente francês, entre o espírito de Nouvelle Vague de Truffaut que Honoré sempre perseguiu e os musicais de Demy, muito recomendado.

    ResponderEliminar
  7. Tiago, obrigado! Tens de os ver, valem bem a pena.

    Victor, obrigado. Como te disse, também gostei da tua.

    João, agradeço-te muito as sugestões. Ficam bem guardadas. Por acaso não conheço muito do Oriente, o que é uma pena.

    Nekas, senti-me tentado a fazê-lo, mas já o tinha colocado numa lista precedente, na das comédias natalícias predilectas!

    Pedro, muito bem-vindo ao blog! Gosto, igualmente, do teu. Volta sempre ;)

    Alex, é mesmo. Um filme magnífico! Bons filmes :)

    Back Room, é sempre óptimo sentir a tua presença por aqui e ver o teu reforço. Concordamos em pleno ;) Obrigado pelas sugestões!

    Abraços a todos e espero que tenham tido um bom dia de São Valentim! :)

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.