quinta-feira, dezembro 24, 2009

:Os 10 melhores filmes da década '00



Este Natal estará marcado, um pouco pela blogosfera cinéfila portuguesa, pela iniciativa “Os 10 Melhores Filmes da Década 2000” — como tal, não deixem de visitar e procurar os outros locais onde se encontrem presentes diversas listas. Definir os dez melhores filmes desta primeira década do milénio, que atravessou o fim da minha infância e o início da adolescência, é, na minha perspectiva e apesar de estar directamente envolvido nesta iniciativa, mais do que difícil. É impossível — pela simples razão que muitos foram a fitas que marcaram o mundo da sétima arte, pelo que, sem elas, o futuro que avizinhará não se demonstraria da mesma forma. Dito isto, reuni, na lista que segue, sem repetição de realizador (para evitar favoritismos e alguns esquecimentos) e sem ordem de preferência, os dez filmes que grandemente me marcaram, quer pela sua qualidade artística, quer pela forma como conseguiram mudar a minha visão do mundo e de mim. Deu-me uma pena tremenda, ao tentá-la pôr heterogénea, não incluir na lista, por exemplo e pelo menos, um filme da Disney, Mysterious Skin, Match Point, Memento, O Novo Mundo, O Senhor dos Anéis, e uma data de etc. (mas vocês saberão bem, quer lendo as minhas opiniões ou vendo as minhas classificações, quais são, verdadeiramente, os meus filmes preferidos). Mas, bem, a lista é vida e ei-la:




Hilariante, belo, mágico, fabuloso — eis como uma personagem, uma história e um visual tão rico se coadunam numa das películas mais estranhas, marcantes e positivistas de sempre.



Frenético e por demais inteligente, o cineasta brasileiro capta hiperactivamente aquilo que acabaria por ser um dos filmes mais cruéis e espectaculares de sempre.



O melhor da trilogia de Iñarritu, que atravessou, através de diferentes contextos e histórias filmadas, e com desempenhos magníficos, as profundezas da condição humana.



O melhor de Von Trier é mais do que subversivo em estética e narrativa — é sim um exemplo de como se pode fazer um verdadeiro drama psicológico, englobante a toda a humanidade e negativista até à última cena. [crítica]



Um triunfo da arte contemporânea e um ensaio inesquecível e incompreendido da adolescência e da educação actuais, captados subtil mas magnificamente por Van Sant, que, nesta década, se demarcou no meio artístico com películas que me moldaram e distinguiram em grande medida. [crítica]




A filha do criador d’O Padrinho criou, a partir de uma cidade onde a Multidão reina a Solidão, duas narrativas reais, que se enlaçaram em pequenos e inesquecíveis momentos que fazem de Lost in Translation um dos filmes mais interessantes e magníficos.



Pondo de lado toda a polémica (até porque não há, de todo, motivos para a sua existência) que a abraça, a obra de arte de Ang Lee atinge o topo dos grandes romances da sétima arte, pela subtileza, beleza e realismo que a envolvem.




A obra-prima máxima e subvalorizada de Aronosfky que, ao lado do revolucionário Requiem for a Dream, o tornou numa das mais fascinantes e brilhantes mentes da década.




A perfeição de Wright é inegável e a sua segunda longa-metragem demonstrou-o na exactidão, através da adaptação do romance filosófica e narrativamente sublime de McEwan.




Apesar de correr o risco de o filme ser o mais contestado em aparecer neste tipo de listas, estou em crer, veementemente, que tudo n’O Cavaleiro é muito bom — desde a realização encarnada como ninguém, das interpretações, da acção e da forma como a mensagem "precisamos, no mundo em que vivemos, de superheróis que não sejam super" é transmitida.

Apresentada a lista, que considerações têm os leitores a fazer? Quais seriam as vossas escolhas? O que tirariam e porquê? Enfim, e não menos importante: bom Natal para todos!


Outras listas que integram esta iniciativa:

7 comentários:

  1. Grande lista. Sem dúvida.

    São todos grandes filmes. Como constatarás, temos várias afinidades entre as nossas listas.

    Não concordo que 21 GRAMAS seja o melhor filme de trilogia de Iñarritu, mas sim BABEL.

    Quanto a Aronofsky, não optei pelo critério de não repetir o realizador. Estive para fazê-lo, mas depois achei que se o fizesse não apresentaria MESMO aquelas que acho as 10 melhores obras. Mas é um critério que compreendo.

    Como disse, grande lista. Vi todos esses filmes, não concordarei especialmente com O CAVALEIRO DAS TREVAS ou LOST IN TRANSLATION. Mas são bons filmes, incontestavelmente.

    Bom Natal!!!

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  2. Tinha a ideia que era apenas era para publicar a lista no dia 25, daí que ainda não tenha publicado.

    Quanto à lista, nada a dizer. Confesso que não vi grande parte dos filmes que referiste. Estou particularmente no que diz respeito ao TDK.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Excelentes escolhas mesmo! Algumas coincidem com as minhas... até porque eu fiz alguma batota! ;)

    ResponderEliminar
  4. É uma bela lista sim senhor. Gostei da escolha do Dark Knight.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Grande lista, devo admitir que falhei no visionamente de algumas dessas escolhas contudo na minha lista aparecem duas como menções honrosas e também reconheço o valor de todas essas obras...

    Abraço
    http://nekascw.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. BELA LISTA, CONCORDO!

    Acho 21 Gramas infinitamente superior a Babel, abraço

    ResponderEliminar
  7. Roberto,
    obrigado pelo elogio! Revê, pelo menos, LOST IN TRANSLATION, que é um excelente filme e surpreende-me o facto de não captares a sua beleza, conhecendo os teus gostos.

    Fifeco,
    tinha agendado a publicação mas parece que, por engano, saiu mais cedo :P

    Tiago,
    já vi que sim! :P

    Jackie Brown,
    é, realmente, um óptimo filme.

    Nekas,
    ainda bem. Tenta ver, quanto antes, o resto que te falta, pois vale bem a pena.

    Cristiano,
    não será "infinitamente" mas é, sim, superior.

    Abraços a todos!

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.