sexta-feira, outubro 10, 2008

:Parabéns!

Numa altura em que me encontro imensamente ocupado quer pela escola quer pelo emprego, e apesar de estar já a preparar algumas críticas para publicar aqui, não podia deixar de ignorar o projecto-lei do Bloco de Esquerda e dos Verdes que permitia o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo ou, forma abreviada e como o apelidaram, casamento gay. Para a modificação do Código Civil a lei precisava de ser aprovada hoje mas tal aconteceria, julgando pelas declarações prestadas há horas no Parlamento, não fosse o Partido Socialista impor disciplina de voto de forma a recusar os projectos. José Sócrates, em jeito de justificação e há pouco tempo atrás, disse que "o PS não anda a reboque de nenhum outro partido". Pois bem, mais vale permanecer com a posição retrógrada de Ferreira Leite do que acabar com um tipo de discriminação que é bem presente na nossa sociedade que, segundo foi prometido em tempos de eleições, seria anulada, não é verdade, senhor Primeiro Ministro? "Uma vergonha histórica para a democracia portuguesa", segundo a ILGA. Vergonha é o PS  impor disciplina de voto, votar contra e, elevando a hipocrisia ao máximo, fazer uma declaração de voto a favor do casamento homossexual. Dá para rir, não dá!
Ah, e já agora, qual a vossa posição em relação a este assunto?

9 comentários:

  1. Não tenho nada contra casamentos homossexuais. Acho ridículo a discriminação e o preconceito que ainda existe cá em Portugal sobre esse assunto! São gays sim, mas é escolha deles, continuam a ser pessoas como as outras! Tenho um grande amigo gay e isso não me afecta em nada! Enfim, viva Portugal...

    ResponderEliminar
  2. Honestamente, não tenho nada contra os casamento gay. Se pessoas do mesmo sexo querem casar, que o façam. Eu não os impeço. E até pode ser um incentivo para passarem a existir mais homessexuais, diminuindo a concorrencia no que toca à caça feminina... Eh Eh...

    Obviamente, brinco com o assunto. Mas para mim, é um pouco indiferente já que não me diz respeito.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. nao sei se me quero casarm, mas gostaria de o poder fazer se assim o decidir!

    direito a escolher!

    pp

    ResponderEliminar
  4. Obviamente que esta reprovação do diploma devido ao bloqueio do Partido Socialista é vergonhosa e indignante. Mas tenho de fazer umas corecções: não fez parte do programa de legislatura 2005/2009 do Partido Socialista a intervenção do governo neste assunto, ou seja, não houve, como disseste, promessas eleitorais em relação ao casamento entre pessoas do mesmo sexo; em relação à declarão de voto, penso que ao acusares os deputados de hipocrisia devias também citar algumas partes da notícia que me parecem muitissimo importantes ("o grupo defende intransigentemente a igualdade dos direitos expressos na constituição e que não põe em causa o conteúdo programático dos diplomas que irão a votos amanhã" ; " o grupo parlamentar socialista justifica o seu voto contra os dois projectos com o facto destes virem na altura errada, sem que tenha havido uma ampla discussão na sociedade portuguesa sobre o assunto" ; "ao facto dos casamentos homossexuais não constarem do programa do Governo para esta legislatura" ; "não existirá consenso entre os 121 deputados que integram o grupo parlamentar socialista").

    ResponderEliminar
  5. Joker, Fifefo, percebo-vos. No entanto, ser-se homossexual não é uma escolha, pelo que traria a felicidade de muitos no que toca a termos legais e não só a união civil. Abraço!

    Pedro, sim. É importante que haja o direito de escolha visto que um cidadão que seja homossexual ao não podê-lo fazer está a ser, por isso, discriminado. Abraço e volta sempre.

    Luís, segundo sei, o PS comprometeu-se a acabar com qualquer tipo de discriminação, incluindo a baseado na orientação sexual das pessoas. Se na própria Constituição existe discriminação é ultrajante que se adie o assunto. O argumento de não se encontrar na agenda política presente não se valida quando se discute, por contraponto, a lei dos divórcios que, por casualidade, a sua discussão também não estava planeada. Obrigado pelas citações. A imagem do partido foi denegrida um pouco com esta publicação porque há deputados que, pela imposição feita, pagam por tabela. Abraço!

    ResponderEliminar
  6. política é para betinhos!

    ResponderEliminar
  7. "o PS comprometeu-se a acabar com qualquer tipo de discriminação" - Como disse, nunca fez parte da agenda política ou do programa de governo este tipo de medida, apesar de ser vergonhoso que não tenha feito. "Se na própria Constituição existe discriminação é ultrajante que se adie o assunto" - Deves querer dizer que na Constituição não existe discriminação, porque o artigo 13.º claramente proibe a discriminação em função da orientação sexual, por isso sim, é ultrajante que ainda não se tenha tratado do assunto. "O argumento de não se encontrar na agenda política presente não se valida quando se discute, por contraponto, a lei dos divórcios" - São assuntos bastante diferentes, que exigem uma menor amplitude no debate público e é menos controversa. Não nos podemos esquecer que se avizinha um ano de eleições em 2009: europeias, autárquicas e legislativas. Não podemos esperar que um Partido de centro tome medidas tão reformistas e controversas num espaço de tempo tão pouco permissivo a mediatismo desfavorável. O Bloco de Esquerda apresentou o projecto nesta altura exactamente por essa razão: por ser um ano de eleições e todos sabemos que o eleitorado do BE é favorável a este tipo de projectos. O do Partido Socialista não é, especialmente a ala mais católica e conservadora, algo que os líderes do PS sempre têm dificuldade em lidar. Acho que temos de alargar um pouco os horizontes e não ver isto apenas pelo nosso umbigo. É um assunto urgente e que deve ser tratado o mais rapidamente possivel? Sim. É vergonhoso que se esteja a ir contra um dos principios básicos da Constituição? Sim. Mas será pedir muito esperar até Setembro de 2009/2010, tendo em conta que nessa altura se pode fazer algo mais sério e competente? Não me parece. Em relação ao dizeres que a imagem do Partido foi denegrida, parece-me exactamente o contrário. Ao fazer a declaração de voto a favor do casamento, o grupo parlamentar do PS só nos indica que é favorável à legislação, quando for uma altura propicia: parece-me um sinal positivo e do qual qualquer Socialista liberal se deve orgulhar.

    ResponderEliminar
  8. Mas será pedir muito esperar até Setembro de 2009/2010, tendo em conta que nessa altura se pode fazer algo mais sério e competente?

    não sei porque será nessa altura mais sério e competente, faz favor de explicar? obrigado

    ResponderEliminar
  9. Será mais sério e competente, porque existirá uma maior disponibilidade de tempo para realizar o debate público que esta questão merece e para formular uma proposta credível. Neste momento existe muito mediatismo em torno da crise económica e financeira, do Orçamento de Estado, etc. Setembro de 2009 porque é exactamente a época em que as eleições no nosso país terão terminado, e aí teremos espaço na comunicação social e na própria sociedade para se debater o assunto. Espero ter esclarecido.

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.