terça-feira, setembro 09, 2008

:Memento (2000)

“Não é só um filme, mas um quebra-cabeças”, “Uma obra-prima”, “Incrivelmente difícil de descrever e absolutamente surpreendente”; estas foram algumas das opiniões sobre esta película de Christopher Nolan, conhecido por ter sido uma autêntica lufada de ar fresco nos mais conceituados festivais de cinema que premiaram o seu trabalho com vinte e cinco prémios vivificando, por conseguinte, as duas nomeações para os Oscar recebidas.
Leonard Shelby apresenta-se. É um homem que sofre de perda de memória recente desde um terrível incidente, quando ocorreu um assalto em sua casa e violaram e mataram a sua mulher. A partir desse momento, mesmo com a sua incapacidade de criar novas recordações, começa uma infindável busca pela verdade registando todos o que presencia em fotografias e tatuagens pelo seu corpo todo.. "Memento" conta com as magníficas participações de Guy Pearce, Joe Pantoliano e Carrie-Anne Moss (que esteve, a meu ver, brilhante).
Mas é, no entanto, o argumento que resplendece, sobrepujando uma fasquia que se encontra para além do desejável, quer pela sua originalidade como também por uma complexidade extremamente interessante que nos obriga a reflectir sobre cenas anteriormente vistas a fim de compreendermos com maior lucidez o que nos é apresentado. O filme é disposto de uma forma bastante peculiar: começamos por ver o final da fita e, assim, as cenas são organizadas pelo final+começo+começo&final o que valeu a “Memento” a nomeação merecida para o Oscar de melhor montagem. Toda a genialidade reside então nestes dois aspectos, o argumento e a montagem, que prima com uma realização notável. Chistopher Nolan, de "O Cavaleiro das Trevas" (10/10), "Batman Begins" (9/10) e "O Terceiro Passo" (9,5/10), provou mais do que uma vez que veio para fazer história, como um dos mais talentosos realizadores da actualidade. Se tiverem o DVD português aproveitem e vejam a entrevista feita a Nolan. Está, de facto, com este filme que é já dos meus favoritos, de parabéns.
I have to believe in a world outside my own mind. I have to believe that my actions still have meaning, even if I can't remember them. I have to believe that when my eyes are closed, the world's still there. Do I believe the world's still there? Is it still out there?... Yeah. We all need mirrors to remind ourselves who we are. I'm no different.

Nota final: 9,5/10

7 comentários:

  1. Tem piada que me emprestaram este filme para ver, mas na versão original, sem legendas. Vou ter de arranjar isto com legendas, senão vou ficar completamente à nora.
    Adoro o Christopher Nolan, tem filmes muito bons, e sei que este não é excepção.

    ResponderEliminar
  2. Basta uma palavra para descrever este filme: Genial!

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Não é só o argumento genial que impressiona, mas também a brilhante actuação de Guy Pearce que, a todos os níveis, resplandece a qualidade artística que Nolan imputa à fita.

    Um autêntica obra prima. 10/10

    Abraço

    PS: The Prestige é outra pequena maravilha.

    ResponderEliminar
  4. Fernando Ribeiro, The Joker, Fifefo, creio que todos partilhamos a mesma opinião. Christopher Nolan é, de facto, um diamante em bruto.

    Abraços para os três!

    ResponderEliminar
  5. Não sei se será assim tão em bruto... acho que já está bem limado, até!

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.