sexta-feira, abril 11, 2008

:U2 3D (2007) - Crítica

Sendo os U2 uma banda que aprecio bastante e tendo em conta que nunca tive a oportunidade de vê-los ao vivo em concerto, esta experiência não podia passar-me ao lado, de nenhum modo! Denote-se também que nunca antes vi um filme em 3D, pelo que, aquando a minha ida ao NorteShopping, pude ter uma oportunidade única na minha vida. Juntando tudo, posso dizer que tinha todos os elementos necessários para que a minha curiosidade e entusiasmo estivessem suficientemente aguçados! Mal recebi os meus óculos que me possibilitavam ver o concerto filmado com uma tecnologia digital “inovadora” e “nunca antes utilizados”, senti que estava pronto para receber boa música. Sabia já, com a previsão realizada pela Sandra, que nas músicas tocadas por Bono Vox, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr. incluir-se-iam “Vertigo”, que abriu o filme (recebida com muitos aplausos por minha parte), “Beautiful Day”, e “Sometimes You Can’t Make it On Your Own” (a minha preferida) e, como adivinhei, ouvi com entusiasmo à balada “One”, que por todos nós nos é conhecida.

Como já disse, “U2 3D” começou com “Vertigo”, o que foi uma óptima escolha e deu perfeitamente para reconhecer toda os efeitos digitais que podiam impressionar o espectador. Na primeira meia hora fiquei bastante surpreendido com a tecnologia mas, quando me habituei, pude concentrar-me mais nas músicas que foram tocadas e devo dizer que achei algumas um pouco irritantes e foram desnecessariamente colocadas como, por exemplo “The Fly” ou “Pride”… não sei é mesmo por não apreciar maioriotariamente tanto as versões “live” às do estúdio ou se, realmente, estavam fracamente tocadas, porque a única coisa que me vinha aos pensamentos era que mal podia esperar pela próxima música.Gostei da “Love and Peace or Else” e a “Sunday Bloody Sunday”, apesar de não inspirar tanta força e sentimento como a original, fez-me recordar o meu ano passado, com alguma nostalgia. Retomando, as outras melodias não me atraem e podiam ser facilmente substituidas com êxitos como “Elevation” ou “City Of Blinding Lights”, que são agradáveis e fazem-me vibrar!

Ainda assim, e apesar disto e alguns planos que podiam ser cortados, agradou-me todo o espectáculo, pesar de não ser apologista de ter em cartaz concertos musicais. Para isso, na minha opinião, criavam-se espaços próprios, não misturando com filmes de ficção e documentários (sublinho também o sentido da palavra “documentário”, género que surge, do nada, no IMDB) para quem não queria ou podia ver a banda preferida ao vivo. A recta final foi bastante boa, com a passagem da declaração universal dos direitos do Homem, e com as palavras a sairem do grande ecrã.

Passei, no final de tudo e fazendo o balanço, um óptimo serão ao lado dos meus melhores amigos, apesar de algumas performances pudessem estar melhor, algumas músicas pudessem ser substituidas, e alguns planos pudessem ser reconsiderados. Repito: apesar de ter gostado de “U2 3D”, nada de concertos nas salas de cinema!

Nota: 8/10

Sem comentários:

Enviar um comentário

Assine, sempre que possível, o seu comentário.