terça-feira, junho 05, 2007

:Babel (2006) - Crítica

Foi um dos meus presentes de aniversário, um DVD que já há muito aguardava, "Babel" chega encerrando a trilogia do realizador de "Amor Cão" e "21 Gramas". Nunca tinha feito a minha crítica, mas realmente o filme é imperdível, com um elenco formidável e uma história bastante interessante. Ganhou o prémio de melhor realizador no Festival de Cannes e ainda o globo de ouro de melhor filme.
A sinopse: Nas areias longínquas do deserto Marroquino, um tiro de espingarda desencadeia uma série de acontecimentos que ligam um casal de turistas americano, numa luta frenética para sobreviver, dois rapazes marroquinos envolvidos num crime acidental, uma ama atravessando ilegalmente a fronteira para o México com duas crianças americanas e um pai de uma adolescente japonesa procurado pela policia em Tóquio. Separados por choques culturais e distâncias desiguais, cada um destes quatro grupos distintos, mesmo assim, avança tumultuosamente para um destino compartilhado de isolamento e de dor.
Não ganhou nenhum Óscar considerável sem ser a sua banda-sonora excepcional, de Gustavo Santaolalla (de "Brokeback Mountain"). O elenco, repito, está fantástico. O famoso Brad Pitt com uma óptima representação da sua personagem, a querida Cate Blachett, o talentoso (e bonito!) actor mexicano Gael García Bernal ("La Mala Education"). Não que todo o elenco secundário não contasse, 99% das personagens do filme nunca tinham visto uma câmara de filmar à sua frente.
O argumento, muito original e realista, o que torna quase impossível não nos revermos numa das personagens. Muito ao estilo de "Colisão", um dos meus filmes favoritos. Como é que não ganhou o Óscar de melhor filme?!
"Babel" mostra-nos nada mais, nada menos, do que o problema da comunicação entre as culturas, conectadas por pequenos detalhes que se podem tornar em elos de ligação com consequências impensáveis à partida. O problema não está apenas pela diferente língua, as diferentes pessoas têm que obedecer a determinados conceitos éticos e burocráticos, o que torna o ser humano, que tão igual diz-se ser, na mais estranha e desigual espécie viva.

Aspectos Positivos: Realização, Fotografia, Elenco, Argumento, Música

Aspectos Negativos: Nada a apontar.

Nota: 9,5/10

"If You Want to be Understood... Listen"

2 comentários:

  1. ola
    .
    eu vi este filme no cinema, amei, foi fantastico. é um daqueles filmes que já há muito era necessario ser realizado, com conteudo =)
    .
    beijo

    ResponderEliminar

Assine, sempre que possível, o seu comentário.